COIMBRA,21 de Junho de 2021

CHUC revela estudo sobre experiências dos profissionais em pandemia

30 de Novembro 2020 Rádio Regional do Centro: CHUC revela estudo sobre experiências dos profissionais em pandemia

Num encontro promovido recentemente pelo Núcleo de Investigação em Enfermagem (NIE) do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), foram apresentados os resultados provisórios do estudo qualitativo que retrata as experiências vividas por profissionais do CHUC.

Neste estudo, subordinado à temática “Cuidar em Pandemia”, que está a ser conduzido pelo NIE do CHUC, em parceria com a Unidade de Psicologia Clínica do CHUC e a Health Sciences Research Unit: Nursing (UICISA: E), acolhida pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC), participaram enfermeiros, médicos e assistentes operacionais do Centro Hospitalar.

O trabalho resulta de entrevistas que foram realizadas entre Maio e Julho de 2020, a profissionais voluntários que cuidaram de pessoas infectadas ou que foram eles próprios infectados com a covid-19. Da análise das entrevistas emergiram significados diversos, agrupados em torno de quatro temas centrais: o “Eu” (pessoa e profissional), “Os Outros” (doentes), “Os outros como Eu” (equipa de saúde) e, não menos importante, “Os meus” (família).

António Marques, enfermeiro Gestor em funções de direcção e coordenador do NIE, dá nota de que o sentimento de missão é transversal a todos os profissionais entrevistados onde “o cuidar dos outros foi encarado como um desígnio da profissão que escolheram, imbuídos de um forte espírito de equipa, que levou a que muitos se colocassem em risco para acautelar a protecção de colegas, cuja saúde era mais frágil. Amenizar a solidão dos doentes foi um dos principais focos de atenção dos profissionais.” E continua dando nota de que foram evidentes as diferentes formas de reagir, reproduzindo algumas das “expressões mais usadas pelos profissionais alvo do estudo e que denotam bem o que foi “a experiência de cuidar num ambiente de incerteza e de mudança constante, no qual reinava, no início, o medo, pouco depois seguido por um ambiente impregnado de “um silêncio de morte”, foi gerador de intensas alterações emocionais. “Havia um certo desespero de não conseguir dar resposta”. O uso de todo o equipamento de protecção individual foi também referido como elemento bloqueador no estabelecimento de uma boa comunicação e relação empática e de ajuda. “Muitas vezes era preciso gritar para que os doentes nos ouvissem, o que nos levava ao esgotamento e a um sentimento de impotência de transmitir afecto pelas palavras.”

Outras temáticas que também foram referidas pelos profissionais foi “a pressão social e o estigma sentido por alguns profissionais, por parte dos vizinhos”, tendo muitos passado a resguardar-se mais em casa, para evitar olhares inquisidores e sentimentos incómodos”, referiu.

O Coordenador do NIE, dá ainda nota de que “alguns profissionais chegaram mesmo a ser medicados para a ansiedade ou depressão, tivemos pessoas que na primeira vaga, se viram forçados a meses de isolamento em suas próprias casas, separados de todos, inclusivamente, da sua família.” E continua referindo que outra questão exposta por estes profissionais foi a “limitação inicial de recursos materiais e de equipamentos, nomeadamente de protecção, que afectou a prestação de cuidados, nomeadamente o número de interacções com os doentes.”

Áurea Andrade reconhece as dificuldades vividas por todos face ao desconhecido e salienta que houve questões que foram muito valorizadas pelos profissionais “como a relacionada com a liderança e a gestão que se tornaram muito manifestas e preponderantes neste âmbito, particularmente pela proximidade dos líderes e pela forma como acompanhamos a situação no terreno. Já em sentido contrário, foi-nos relatada a dificuldade em serem testados, sobretudo no início, e a forma como foi gerida a comunicação dos resultados dos testes, a qual melhorámos muito ao longo do tempo, tendo sido muito valorizado o contacto personalizado que, entretanto, fomentámos com os profissionais infectados”.

Garante, ainda, Áurea Andrade que “a forma abnegada e articulada como todos os profissionais, dos mais variados serviços do CHUC – clínicos, serviços de apoio e logística, unidade de prevenção e controlo de infecção e gestão do risco – foram fundamentais para dar a melhor resposta aos profissionais da primeira linha. É certo que os desafios que tivemos de enfrentar foram enormes, mas, com trabalho em equipa e em articulação com o gabinete de crise fomos conseguindo dirimir as dificuldades que se nos apresentavam e antecipar os problemas.”

Este estudo salienta, ainda, “a existência de um sentimento globalmente positivo e de “dever cumprido”, contrastando com uma elevada carga emocional, familiar, com mudanças de comportamento (saúde mental) dignos de registo e a merecer ainda a nossa atenção “, conclui Áurea Andrade.

Jornal Campeão das Províncias 

GRUPO MEDIA CENTRO  |  SOBRE NÓS  |  ESTATUTO EDITORIAL  |  CONTACTOS

AS NOSSAS RÁDIOS

 

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Powered by Digital RM