COIMBRA,24 de Abril de 2024

Universidade de Coimbra e Docapesca projectam porto auto-sustentável

3 de Novembro 2022 Rádio Regional do Centro: Universidade de Coimbra e Docapesca projectam porto auto-sustentável

A Universidade de Coimbra (UC) está a promover, em colaboração com a Docapesca, um projecto-piloto de um porto de pesca auto-sustentável que permita a reutilização de produtos ou o aproveitamento de resíduos. Este está a ser desenvolvido em Lagos, no Algarve.
Integrado no programa de economia azul UCMar e desenvolvido pelo laboratório Marefoz da UC, o “GREENFISHINGPORT: Projecto-piloto de Porto de Pesca Auto-sustentável” visa desenvolver um modelo experimental de gestão ambiental para o porto de pesca de Lagos e consiste em quatro actividades prioritárias, desde logo, como ponto de partida, a realização de um diagnóstico da eficiência energética e sustentabilidade ambiental daquela infra-estrutura.
O projecto inclui ainda um plano de acção para a sustentabilidade do porto de pesca de Lagos, o desenvolvimento de novos produtos a partir dos resíduos e efluentes e a definição do modelo de gestão ambiental, aqui com a participação da entidade gestora dos portos de pesca e lotas nacionais, comunidade piscatória, empresas e comunidade científica.
“Pretendemos desenvolver um modelo de gestão de portos de pesca que promova a sustentabilidade ambiental, mas também a sustentabilidade económica do porto”, disse Tiago Verdelhos, coordenador do projecto e investigador do laboratório Marefoz.
Depois do diagnóstico inicial, os investigadores desenvolvem um relatório com medidas “que promovam a sustentabilidade” e que, de acordo com Tiago Verdelhos, podem passar pela redução de consumo energético, aproveitamento de produtos que podem ser reutilizados – por exemplo, “a água que é aproveitada para um determinado fim, pode ser reaproveitada para outro” – e a valorização dos resíduos produzidos. “No decorrer de actividade de um porto de pesca há sempre resíduos de vária ordem, há resíduos plásticos, biológicos, há resíduos de vários tipos. Podemos apresentar ideias que possam servir para valorizar esses resíduos”, enfatizou o investigador da Universidade de Coimbra.
Uma das ideias passa por poder usar alguns dos resíduos biológicos para produção de farinhas de peixe: “Mas é completamente inviável pensar em viabilizar os resíduos de um porto em particular, se é pouca quantidade não compensa ir lá buscá-lo, nenhuma empresa vai buscar num único porto”, observou Tiago Verdelhos.
“Mas a nível da região ou do país já pode ter interesse, é este tipo de medidas que temos de avaliar e poderemos sugerir. Neste caso, terá de ser criado um circuito [por vários portos], às vezes não é a questão do material em si, é como se organiza e como se gere”, argumentou o investigador.
O trabalho em curso dos investigadores da UC contempla uma parceria com a Docapesca, presente no apoio aos cientistas “desde a fase de candidatura” do GREENFISHINGPORT.
“Permite-nos fazer toda a avaliação da actividade daquele porto de pesca, ter acesso a um conjunto de dados necessários aos estudos e é à Docapesca a quem vamos, depois e em primeira mão, apresentar as medidas”, afirmou. “O grande objectivo é que testem estas medidas inicialmente no porto de pesca de Lagos e que, depois, no decorrer dessa implementação, as que forem exequíveis e validadas, possam vir a ser implementadas noutros portos de pesca do país”, notou Tiago Verdelhos.
O investigador da UC lembrou, no entanto, que no que concerne à sustentabilidade ambiental, a Docapesca “já tem algumas medidas implementadas, como a utilização da iluminação led”, disse.
Outras medidas terão de ser avaliadas em cada local, porque há casos particulares: “Chegamos a determinado porto e têm produção de gelo. Outro já não tem e compram o gelo noutra empresa ou o equipamento de produção é mais moderno num sítio, mais eficaz e gasta menos. Este tipo de pormenores pode variar, mas há coisas que são transversais”, frisou Tiago Verdelhos.
O projecto GREENFISHINGPORT tem ainda como parceiro a Agência de Desenvolvimento do Barlavento algarvio e é co-financiado por fundos europeus do MAR2020.

Fonte: Campeão das Províncias

GRUPO MEDIA CENTRO  |  SOBRE NÓS  |  ESTATUTO EDITORIAL  |  CONTACTOS

AS NOSSAS RÁDIOS

 

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Powered by Digital RM