COIMBRA, 24 de Fevereiro de 2020

Investigação:Apoios à investigação de incêndios não têm continuidade assegurada

14 de Fevereiro 2020

O programa de apoio lançado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) para projectos de investigação em torno de incêndios florestais foi mal desenhado e não tem continuidade assegurada, alertou hoje o especialista Domingos Xavier Viegas.

“Depois de 15 milhões de euros [em três concursos entre 2017 e 2019], o programa acaba. Devia ser assegurada a continuidade. Este programa viu surgir imensas equipas a trabalhar com muita qualidade – equipas essas que se calhar anteriormente não estavam viradas para este tema -, mas agora que se criam capacidades é necessário aproveitá-las”, afirmou o coordenador do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais (CEIF), Domingos Xavier Viegas, que falava à agência Lusa à margem de um evento em Coimbra onde membros de 18 projectos de investigação apoiados pelo programa da FCT discutem resultados.

Domingos Xavier Viegas realçou a dimensão do programa de apoio lançado em 2017, mas diz temer que aconteça o mesmo que em 2003 ou nos anos 1990, em que iniciativas semelhantes mas de menor dimensão foram lançadas e posteriormente “descontinuadas”, criando um processo de “para e arranca” para os investigadores da área.

Já na sessão de abertura do ‘workshop’ que decorre durante o dia de hoje na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), o especialista em incêndios florestais alertou para diversas falhas do programa, como um enviesamento das regras para alguns temas, “repetição de tópicos” e alteração das “regras” para o último concurso, cujas candidaturas terminam no dia 20.

“Este programa e as suas prioridades foram desenhadas por um pequeno grupo de pessoas, sem discussão alargada. Está muito virado para a área florestal e não estão reflectidas coisas relacionadas com a segurança das pessoas e com a protecção de um modo geral”, afirmou à Lusa o investigador e catedrático da FCTUC.

Considerando o programa mal construído, Xavier Viegas realçou que a própria definição do calendário para os três concursos, em três anos seguidos, “obriga a que os projectos sejam pequenos e as equipas tenham que se dividir”.

A Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial (ADAI), onde está integrado o CEIF, está envolvida em quatro projectos e com capacidades quase esgotadas.

“Talvez sejamos das maiores equipas no país a trabalhar na área dos incêndios e não temos capacidade. Em três anos, não acabámos sequer o primeiro projecto”, notou, defendendo mais tempo e espaço entre concursos para ser possível ver resultados dos projectos e dar também uma oportunidade “às equipas para se ligarem”.

A falta de incentivos à sinergia e o estímulo à criação de pequenos projectos tem levado a várias investigações “sobrepostas”, acrescentou.

O evento de hoje, onde são apresentados 18 projectos de investigação em curso, é organizado pelos investigadores responsáveis dos projectos FIREFRONT, FIRESTORM e McFIRE.

Ordenamento do território, medição de humidade, modelos de apoio à gestão florestal, previsão de ocorrência de incêndios, mapeamento e predição da progressão de incêndios com recurso a drones ou a exposição de bombeiros à poluição do ar são alguns dos temas abordados pelos projectos de investigação hoje apresentados.

Agência Lusa


Todos os direitos reservados • Rádio Regional Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Powered by DIGITAL RM

WP2FB Auto Publish Powered By : XYZScripts.com