COIMBRA,7 de Dezembro de 2021

Figueira da Foz adjudica reabilitação do Mosteiro de Seiça por 2,7 milhões

19 de Abril 2021 Rádio Regional do Centro: Figueira da Foz adjudica reabilitação do Mosteiro de Seiça por 2,7 milhões

A Câmara Municipal da Figueira da Foz adjudicou, hoje (19), a obra de reabilitação e consolidação do Mosteiro de Seiça, imóvel histórico e de interesse público, que está em vias de ser reclassificado como Monumento Nacional.

A obra, orçada em cerca de 2,7 milhões de euros, adjudicada à empresa Teixeira Duarte e que terá início, segundo Carlos Monteiro, presidente da Câmara Municipal, “a muito curto prazo”, passa pela consolidação da fachada monumental em ruínas da igreja datada dos séculos XVI e XVIII, e reabilitação do edifício monástico adjacente.

“Este trabalho, esta adjudicação em fim de mandato, obrigou a várias coisas. Primeiro, levou-nos a uma espera de dezenas de anos, desde a aquisição do edifício [pela Câmara, em 2001] até hoje. A realidade é que o edifício foi adquirido e ficou por lá”, afirmou o Carlos Monteiro, durante a reunião camarária.

“E agarrado a esse edifício ficou uma dívida de 92 milhões [respeitante aos três mandatos do PSD, anteriores aos executivos do PS], que nós herdamos em 2009. Esta é a parte da explicação para o atraso [nas obras]”, argumentou o autarca.

O autarca adiantou que a “outra parte” que resultou, agora, na adjudicação dos trabalhos, deriva da “preocupação com o erário público” e da reclassificação como Monumento Nacional.

“Para podermos concorrer a fundos comunitários, tínhamos de reclassificar o edifício como monumento nacional. E hoje temos fundos comunitários e esta intervenção, de 2,7 milhões, é comparticipada apenas em 15% pelos fundos próprios da Câmara Municipal. Estes trabalhos demoram tempo e é esta a explicação porque é hoje [a adjudicação]. A empresa, após esta adjudicação, irá a Tribunal de Contas e a muito curto prazo a obra pode iniciar-se”, frisou Carlos Monteiro.

Intervindo na reunião, Carlos Tenreiro, vereador eleito pelo PSD mas ao qual foi retirada a confiança política, lembrou a “carga histórica profunda” do Mosteiro de Seiça, localizado no Sul do concelho, na Freguesia de Paião, cujas origens – que não o edificado actual – remontam à fundação da nacionalidade.

“Quando percebemos o tempo que levou a conseguirmos consolidar uma situação que permitisse a recuperação daquele edifício (…) seja o que for feito vai ser feito pela positiva, vai revitalizar uma existência histórica secular e é motivo de regozijo para todos nós”, declarou Carlos Tenreiro.

Ouvido pela agência Lusa, o arquitecto camarário Rui Silva explanou, em traços gerais, a intervenção no Mosteiro de Seiça, que passa pela consolidação da fachada da igreja “de modo a ser visitável, na ruína em que está, mas em condições de absoluta segurança”, e pela reabilitação da parte monástica adjacente.

“Tudo o que é adulteração é para ser retirado”, explicou Rui Silva, aludindo, nomeadamente, aos restos de uma fábrica de descasque de arroz, que ali laborou desde o início do século XX até 1976, mas também ao arborizado que, ao longo de décadas, se desenvolveu no topo das duas torres da fachada da igreja e que “terá de sair”.

“É o que está a dar cabo do edifício”, sustentou.

O único vestígio que ficará da fábrica de descasque de arroz é a chaminé com dezenas de metros de altura, onde habitualmente nidificam cegonhas, localizada na lateral do Mosteiro, entre este e a linha ferroviária do Oeste.

Jornal Campeão das Províncias

GRUPO MEDIA CENTRO  |  SOBRE NÓS  |  ESTATUTO EDITORIAL  |  CONTACTOS

AS NOSSAS RÁDIOS

 

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Powered by Digital RM