COIMBRA,17 de Julho de 2024

Autarca de Viseu preocupado com fim do helicóptero do INEM à noite

29 de Dezembro 2023 Rádio Regional do Centro: Autarca de Viseu preocupado com fim do helicóptero do INEM à noite

O presidente da Câmara de Viseu, Fernando Ruas, manifestou-se esta sexta-feira preocupado com o não funcionamento nocturno do helicóptero do INEM na região, sobretudo numa altura em que a resposta do Serviço Nacional de Saúde nos hospitais está condicionada.

Numa altura em que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) “está mal, aquilo que se faz é reduzir o serviço para metade”, disse o autarca aos jornalistas.

O presidente social-democrata considerou que este “é mais um contributo para a coesão” territorial e destacou que “os critérios são esses, quando as pessoas do Interior mais precisam de meios eles são retirados”.

“Isto é uma prendinha de Ano Novo que não estávamos à espera”, acrescentou Fernando Ruas, adiantando não ter sido informado sobre o fim da operacionalidade do helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) no período nocturno, a partir do dia 1 de Janeiro de 2024.

O Ministério da Saúde anunciou esta quinta-feira que dois dos quatro helicópteros de emergência médica ao serviço do INEM em Viseu e em Évora vão deixar de operar à noite, a partir de 1 de Janeiro.

O presidente do INEM afirmou que “a situação se deve manter no máximo durante seis meses” e os outros dois helicópteros, baseados em Macedo de Cavaleiros e Loulé, manterão o seu funcionamento 24 horas por dia”.

Em Viseu e Évora, nos períodos nocturnos, “as respectivas equipas médicas garantirão a operacionalidade de duas Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação (VMER)”.

O INEM salientou que o dispositivo está 100% operacional no período diurno e explicou que o ajuste resulta de, numa consulta de mercado, o instituto só ter recebido duas respostas, uma delas com a solução que se vai implementar a partir de Janeiro.

O autarca viseense considerou que, se o helicóptero vai ser “substituído por um veículo de quatro rodas, se calhar, um dia destes, é substituído por uma bicicleta, é mais económico também”.

“Há uma coisa que eu constato, se foi necessário implementá-los durante um período, agora que a situação na saúde se agrava corta-se a metade? Isso ninguém entende. Se calhar devia ter desvalorizado antes da implementação do serviço a 24 horas!”, acrescentou.

“Se passou de 24 horas para metade, como é que se desvaloriza uma situação destas quando a situação da saúde se agrava? Quando as ligações rodoviárias, nomeadamente do IP3 em direcção a Coimbra, estão no estado que se conhece?”, questionou.

Com hospitais da região com respostas condicionadas, com os utentes a serem transportados para o Centro Hospitalar Tondela Viseu (CHTV) e de Viseu para Coimbra, vai tornar-se “impossível” Coimbra responder às necessidades.

“Nós fizemos um hospital central para ter resposta aqui, para ir agregando uma parte do território aqui. Se nem este hospital central dá resposta e ainda temos de ir para outro hospital central, de Coimbra, então um dia, é de salto em salto, vamos todos para Lisboa. Só há hospitais em Lisboa”, concluiu Fernando Ruas.

Fonte: Campeão das Províncias

GRUPO MEDIA CENTRO  |  SOBRE NÓS  |  ESTATUTO EDITORIAL  |  CONTACTOS

AS NOSSAS RÁDIOS

 

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Powered by Digital RM