COIMBRA,12 de Abril de 2024

Agricultores em Penacova queixam-se de prejuízos causados por javalis e veados

18 de Julho 2023 Rádio Regional do Centro: Agricultores em Penacova queixam-se de prejuízos causados por javalis e veados

Javalis e veados têm causado “enormes prejuízos” em Travanca do Mondego, no concelho de Penacova, afirmou hoje a Associação Distrital dos Agricultores de Coimbra (ADACO), que reclama mais apoios e medidas do Governo.

Uma reunião promovida pela ADACO, na sexta-feira, em Travanca do Mondego, juntou dezenas de produtores, a maioria pequenos agricultores, que se queixam de os prejuízos causados pelos javalis aumentaram nos últimos dois anos, disse o coordenador da associação, Isménio Oliveira.

Além do aumento da população de javalis no concelho, acrescem agora os danos provocados por veados e corças, reintroduzidos na Serra da Lousã, há quase 30 anos, e que começam a surgir no concelho de Penacova, constatou Isménio Oliveira.

Sem conseguir contabilizar o prejuízo em Travanca do Mondego, o responsável estima que os danos provocados à agricultura por javalis e veados no distrito de Coimbra ascendem a “centenas de milhares de euros”.

“Não se percebe como é que o Ministério do Ambiente resolve este problema. Decidiram liberalizar a caça do javali, mas isso não vai resolver o problema, até porque há cada vez menos caçadores. Em 2019, estimava-se que existiam pouco mais de 100 mil javalis e, passados quatro anos, passaram para entre 300 mil a 400 mil javalis”, alertou.

Segundo Isménio Oliveira, são necessárias “medidas concretas e objectivas de controlo de densidade” da população de javalis por parte do Governo.

Em Travanca do Mondego, estes animais têm afectado “todo o tipo de culturas”, mas com especial incidência em “árvores de fruto seco, milho e vinhas”.

Os apoios para suportar os danos também não existem, denunciou Isménio Oliveira, considerando que o Governo deveria utilizar “os dez a onze milhões de euros por ano que recebe em licenças de caça e pesca” para suportar os prejuízos dos agricultores.

Face à ausência de resposta e um aumento da população, o coordenador da ADACO salientou que “a produção de milho reduziu drasticamente na zona serrana da região”, acreditando que o problema também irá começar a sentir-se no Baixo Mondego.

“O Governo mantém-se à margem, quando tem de assumir a sua responsabilidade”, acrescentou.

Em Penacova, a ADACO irá também fazer uma reunião com agricultores da freguesia do Lorvão e conta ter uma iniciativa pública, junto à Câmara Municipal, a 10 de Agosto, para apelar à solidariedade do município nas reclamações junto do Governo.

Fonte: Campeão das Províncias

GRUPO MEDIA CENTRO  |  SOBRE NÓS  |  ESTATUTO EDITORIAL  |  CONTACTOS

AS NOSSAS RÁDIOS

 

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Powered by Digital RM