COIMBRA,19 de Abril de 2024

Levantada a suspensão do abate de árvores nas obras do MetroBus em Coimbra

6 de Janeiro 2023 Rádio Regional do Centro: Levantada a suspensão do abate de árvores nas obras do MetroBus em Coimbra

O Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Coimbra levantou a suspensão provisória do abate de árvores nas empreitadas do Sistema de Mobilidade do Mondego, afirmou à agência Lusa a Infraestruturas de Portugal.

Fonte oficial da Infraestruturas de Portugal (IP) afirmou que tinha apresentado contestação junto do TAF de Coimbra, face à decisão de suspensão provisória do abate de árvores no decorrer das obras do Sistema de Mobilidade do Mondego (SMM), determinada em Dezembro.

Após apresentada essa contestação por parte da IP, o TAF de Coimbra decidiu levantar a suspensão do abate, referiu a mesma fonte.

Em Dezembro, o TAF de Coimbra tinha determinado a suspensão provisória do abate de árvores nas empreitadas do SMM, na sequência de uma acção popular.

A decisão surgiu no âmbito da providência cautelar interposta pelo arquitecto e professor de arquitectura e urbanismo Nuno Martins, que deu entrada a 2 de Dezembro, tendo apresentado no dia 14 um pedido de decretamento provisório da providência, face às notícias de arranque das obras do MetroBus junto aos Hospitais da Universidade de Coimbra.

Uma juíza do TAF de Coimbra deu seguimento a esse pedido, determinando “provisoriamente a suspensão da acção de abate de árvores que estejam previstas ou contempladas na execução da obra em curso [do Sistema de Mobilidade do Mondego], nomeadamente na linha do Hospital” (em Coimbra), referia a decisão a que a agência Lusa teve acesso.

O pedido de decretamento provisório surgia face à urgência de impedir o abate de árvores previsto na linha do Hospital, mesmo antes da decisão do TAF sobre a providência cautelar.

Posteriormente, o TAF de Coimbra terá de se pronunciar sobre a providência cautelar em si, em que Nuno Martins pede a suspensão de vários actos administrativos, nomeadamente a Declaração de Impacte Ambiental, as Decisões sobre a Conformidade Ambiental do Projecto de Execução (DCAPE) relativas ao troço Coimbra-B-Alto São João e linha do Hospital, em Coimbra.

A providência exige a suspensão de todos os actos relacionados com os abates de árvores previstos ao longo dos traçados da obra e até cerca de 22 metros em paralelo aos mesmos.

Como réus do processo, estão a Câmara de Coimbra, Metro Mondego, Infraestruturas de Portugal (dona da obra) e Ministério do Ambiente e da Acção Climática.

O actual projecto do SMM, que abandonou a ideia de um metro ligeiro de superfície (no ramal ferroviário da Lousã e em Coimbra) para adoptar um sistema de BRT (‘bus rapid transit’), gerou uma onda de protestos e críticas entre final de Agosto e início de Setembro, quando se soube que a empreitada levaria ao abate de plátanos centenários na avenida Emídio Navarro.

No final de Outubro, a Metro Mondego afirmou que estava a revisitar, juntamente com a Câmara de Coimbra, o projecto paisagístico da empreitada da linha do Hospital, para tentar reduzir o número de árvores a abater.

Também nessa ocasião, o presidente da Câmara de Coimbra, José Manuel Silva, eleito pela coligação Juntos Somos Coimbra (PSD/CDS-PP/Nós, Cidadãos!/PPM/Aliança/RIR e Volt), referiu que a autarquia estava a analisar “árvore a árvore”, realçando que o novo Executivo assumiu funções com o projecto “já aprovado e em obra”, estando “a fazer o que é possível”.

A agência Lusa já questionou a Câmara de Coimbra sobre se a revisão do projecto paisagístico já estava concluída e se seria possível reduzir o número de árvores a abater, mas ainda não obteve qualquer resposta.

Fonte: Campeão das Províncias

GRUPO MEDIA CENTRO  |  SOBRE NÓS  |  ESTATUTO EDITORIAL  |  CONTACTOS

AS NOSSAS RÁDIOS

 

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Powered by Digital RM