COIMBRA,16 de Abril de 2024

Enfermeiros do CHUC preocupados com mobilidade em tempo de obras

17 de Janeiro 2023 Rádio Regional do Centro: Enfermeiros do CHUC preocupados com mobilidade em tempo de obras

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR) pediu uma reunião à Câmara Municipal de Coimbra (CMC) por estar preocupado com as limitações de mobilidade que as obras do MetroBus já impõem aos profissionais de saúde.

O Centro Hospitalar Universitário de Coimbra (CHUC) tem mais de 3 mil enfermeiros e boa parte destes profissionais já estão a sentir dificuldades, nomeadamente os que trabalham nos HUC, Hospital Pediátrico e IPO.

Estes enfermeiros cumprem uma grande variedade de horários e o coordenador da região Centro do SINDEPOR, Nuno Couceiro, pediu sobretudo respostas para os colegas que saem após as 23h00, quando a Ecovia dos SMTUC já não está em funcionamento.

Por seu turno, o presidente da CMC, José Manuel Silva, reconhece que os constrangimentos são inevitáveis, tendo em conta a elevada densidade urbanística desta área da cidade. Ainda assim, tendo em conta que as obras do MetroBus são da responsabilidade do Estado português e que, quem gere o perímetro dentro dos HUC é o respectivo Conselho de Administração, José Manuel Silva mostrou disponibilidade para fazer o que estiver ao alcance da autarquia para ajudar na mobilidade dos profissionais de saúde e, em particular, dos enfermeiros.

A vereadora do Urbanismo, Ana Bastos, garantiu que a autarquia está disponível para introduzir alterações, que são caras, e que, por esse motivo, só serão possíveis desde que haja procura por parte dos profissionais de saúde. Caso contrário, isso representaria agravar o défice dos SMTUC que já se encontra bastante elevado, devido a factores como a inflação ou a guerra na Ucrânia.

A extensão da Ecovia à Estação Velha ou a possibilidade de utilização da mesma com o passe geral são dois exemplos dados pela autarca do empenho da CMC em aumentar a procura deste serviço. “Mas não tem estado a dar grande resultado”, observa.

Ana Bastos admite, entre outras medidas, reabrir a linha roxa – que foi fechada por ter “três pessoas” – desde que haja procura que o justifique. “Se conseguirem inscrever pessoas que adiram, eu abro a roxa.” Outra das hipóteses colocadas pela autarca é estender a linha verde até aos HUC e, no caso da linha vermelha, introduzir mais um turno que permita transportar os enfermeiros e outros profissionais de saúde cujos turnos terminem depois da 23h00. Tudo possibilidades que só poderão ser concretizadas desde que exista procura pelo serviço.

Fonte: Campeão das Províncias

GRUPO MEDIA CENTRO  |  SOBRE NÓS  |  ESTATUTO EDITORIAL  |  CONTACTOS

AS NOSSAS RÁDIOS

 

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Powered by Digital RM