COIMBRA,5 de Março de 2024

Cota de cheia pode limitar desenvolvimento urbanístico na Estação de Coimbra-B

6 de Fevereiro 2024 Rádio Regional do Centro: Cota de cheia pode limitar desenvolvimento urbanístico na Estação de Coimbra-B

A subida de dois metros da cota de cheia junto ao Açude-Ponte, no rio Mondego, poderá limitar “substancialmente o desenvolvimento urbanístico e edificado” junto à futura estação intermodal de Coimbra.

A subida de dois metros da cota de cheia sem qualquer investimento associado que possa mitigar ou reduzir o nível de risco “limita substancialmente o desenvolvimento urbanístico e edificado de todo aquele espaço”, disse, esta segunda-feira, a vereadora com o pelouro do urbanismo e mobilidade da Câmara de Coimbra, Ana Bastos.

Para a responsável, a grande dificuldade sentida no desenvolvimento do Plano de Pormenor da Estação Intermodal de Coimbra (PPEIC) centra-se no Plano de Gestão dos Riscos de Inundações, que se apresenta como “a principal condicionante” ao plano que está a ser desenhado pelo arquitecto catalão Joan Busquets.

O actual plano de gestão baseia-se no “nível de risco da situação actual, sem prever qualquer investimento adicional para regularização dos caudais do Mondego a montante do Açude-Ponte e assim mitigar ou reduzir substancialmente o nível de risco”, notou Ana Bastos.

De acordo com a vereadora, a construção da barragem de Girabolhos, em Seia (distrito da Guarda), entre outros investimentos, seria uma infraestrutura “essencial para o controlo do risco de cheia”.

Segundo Ana Bastos, o PPEIC, integrado no lote B da primeira fase de investimento da linha de alta velocidade entre Lisboa e Porto, continua “em desenvolvimento”, avançando com estudos de especialidade, como o mapa de ruído, avaliação estratégica ambiental e estudo de tráfego.

A vereadora anunciou ainda que a 15 de Março será feita uma sessão pública de discussão do PPEIC ao longo de todo o dia, com a presença de Joan Busquets.

“A Câmara de Coimbra considera que importa promover um novo momento de participação pública, de forma a recolher sugestões e contributos por parte de todos os interessados. A instabilidade política criada no nosso país, conjugada com a disponibilidade de agenda do senhor arquitecto Joan Busquets, remeteu essa sessão para o próximo dia 15 de Março, numa sessão que deverá decorrer durante o dia inteiro, envolvendo momentos mais institucionais e momentos de debate, aberto a todos os interessados”, referiu.

Nessa sessão, será apresentada uma maquete física tridimensional do plano, para ajudar a percepcionar “a integração da Estação nos espaços circundantes, assim como a sua articulação e ligação à cidade consolidada”.

A maquete estará, após essa sessão, nos Paços do Concelho, disponível para avaliação e análise por parte dos munícipes, estando previsto “um período alargado” para recolha de sugestões e contributos.

“Em termos de calendarização, importa fechar o conteúdo do plano até ao do Verão de 2024, reservando os últimos meses do ano para a sua formalização, discussão pública e aprovação final”, salientou a vereadora.

Fonte: Campeão das Províncias

GRUPO MEDIA CENTRO  |  SOBRE NÓS  |  ESTATUTO EDITORIAL  |  CONTACTOS

AS NOSSAS RÁDIOS

 

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Powered by Digital RM