COIMBRA,4 de Março de 2024

AAC: Alunos carenciados perdem bolsa por viverem com familiares

24 de Janeiro 2024 Rádio Regional do Centro: AAC: Alunos carenciados perdem bolsa por viverem com familiares

A Associação Académica de Coimbra alertou, esta quarta-feira, que o regulamento de bolsas põe em causa o apoio a alunos carenciados alojados em casa de familiares, ao serem contabilizados esses rendimentos no cálculo de atribuição da bolsa.

A Associação Académica de Coimbra (AAC) conta a história de um aluno do 1.º ano a quem foi retirada a bolsa por estar a viver com os avós e uma tia.

Nas contas da atribuição do apoio financeiro, os serviços contabilizaram os rendimentos da tia e da avó, assim como a pensão do avô, tendo concluído que o rendimento deste agregado familiar estava acima do limite máximo definido (11.049 euros).

No entanto, a AAC sublinha que neste caso, o aluno apenas vive num anexo da casa do avô, não recebendo qualquer apoio financeiro.

Os pais continuam a ser quem lhe paga as contas e, por isso, é o rendimento desse agregado familiar que deve ser tido em conta para perceber se o aluno é elegível para receber apoio.

“Um aluno do 1.º ano, com bolsa de estudo atribuída ao abrigo do processo de atribuição automática, teve a sua candidatura posteriormente recusada por excesso de capitação”, refere a associação de estudantes, apelando à ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior uma alteração ao regulamento de atribuição de bolsas de estudo.

“Actualmente, os estudantes deparam-se com uma restrição ao acesso às Bolsas da Direcção-Geral do Ensino Superior” (DGES), alertou a AAC, referindo-se ao despacho da tutela.

O ministério fez uma alteração ao diploma para aumentar o limite máximo de atribuição da bolsa, mas no ponto sobre o tipo de residência do agregado terá sido feita uma alteração que vem agora pôr em causa a atribuição de bolsa a quem vive com familiares.

“O agregado familiar do estudante, elemento determinante para a fixação do valor da bolsa base anual, é constituído pelo próprio e pelas seguintes pessoas que com ele vivam em comunhão de mesa, habitação e/ou rendimento”, refere a AAC.

Ou seja, o diploma prevê que estas pessoas passem a estar automaticamente incluídas no agregado familiar do estudante, sem que seja especificado se o mesmo disponibiliza outro tipo de rendimento.

A AAC sublinha que muitas vezes a opção por viver com um avô ou outro familiar é resultado da precariedade económica da família, não havendo qualquer partilha de rendimentos.

“Os familiares/avós que cedem a habitação cedem-na ‘pro bono’, parecendo-nos que essa ajuda não deve ser quantificada, e, muito menos os referidos familiares devem ser obrigados a integrar o agregado dos parentes, com os quais não existe partilha de rendimentos”, defendem os estudantes.

A AAC pede por isso à tutela uma alteração do artigo e uma audição parlamentar a todos os partidos com assento parlamentar, para “expor a situação e resolvê-la com a maior celeridade possível, pela equidade e democratização no Ensino Superior”.

Fonte: Campeão das Províncias

GRUPO MEDIA CENTRO  |  SOBRE NÓS  |  ESTATUTO EDITORIAL  |  CONTACTOS

AS NOSSAS RÁDIOS

 

Todos os direitos reservados Grupo Media Centro

Rua Adriano Lucas, 216 - Fracção D Eiras - Coimbra 3020-430 Coimbra

Powered by Digital RM